terça-feira, 20 de abril de 2010

“Nunca ouvi falar...




...em ninguém que tivesse tropeçado em algo enquanto estava sentado”. Charles F. Kettering. Eu nunca ouvi, e você? Já ouviu falar em alguém que caiu quando estava num estado de inércia. Porque só erra quem tenta. Quem não tenta, quem não arrisca pode nunca errar ou tropeçar, mas também não vive. Viver é um arriscar atrás do outro, mas muitas vezes um arriscar com certeza, com fé, com esperança. Pra mim, omissão é pecado duas vezes. Não consigo ver felicidade em ser espectador da própria vida. Na sua vida você é protagonista, não se ponha de lado, sentado, assistindo da plateia. Eu creio que é muito importante ter equilíbrio na vida, nas coisas que fazemos. Os extremos são sempre muito perigosos. Quer seja pela atividade ou pela passividade. Arriscar sem saber aonde, também pode ser uma fria. Mas, vai por mim, ter a sensação de tarefa inacabada, de coisas feitas pela metade, ou às vezes, menos da metade, por covardia ou até mesmo por comodismo é uma sensação terrível. Principalmente quando envolve outras pessoas, outros corações. Na maioria das vezes, não dá pra voltar atras, muitas vezes quando perdemos certas oportunidades, as perdemos para sempre. Além disso de que adianta planejar o amanhã se o hoje ainda não foi vivido?Afinal de contas “o que é o amanhã, se o hoje não for vivido por você, é correr atrás do vento...”(http://hagenplatz.blogspot.com/), é vaidade. “Atendei para todas as obras que fazem debaixo do sol, e eis que tudo era vaidade e correr atrás do vento” Ec. 1.14. Até que ponto nossos projetos arquitetados e planejados são anseios do nosso coração, e até que ponto eles deixam de ser sonhos e passam a ser meras vaidades? Até que ponto deixamos a nossa vida pra amanha, tudo pra depois e vemos as coisas que amamos passar bem diante dos nossos olhos e continuamos sentados? Até que ponto vamos priorizar as nossas vontades e deixar em segundo plano as vontades de Deus pra nossa vida. Porque somente a vontade dEle é boa, perfeita e agradável para nós. Não pense que eu sei o que se passa na sua vida e estou aqui linda, fina, plena e fatal sentada no meu pedestal apontando meu belo dedinho pra você e falando mil coisas de como você deve agir ou pensar. Tudo que escrevo aqui são desabafos da minha vida, o que aflige o meu coração. Não vamos perder o jogo da nossa vida de W.O. Quem nem entra em campo, perde duas vezes.

5 comentários:

Clarissa disse...

como sempre... um maravilhoso texto que nos faz pensar!! bjus

Letícia Rozendo disse...

krkas q texto maravilhoso!!!!! simplesmente perfeito, adorei seu desabafo e forma como a 1 pessoa se configurou trazendo mais da vc pra nós, adorei o sangue correndo nas veias, adorei a idéia, e como diz a Mia "é tão difícil ser eu", porque é mais fácil ver a nossa vida passar a nossa frente, e procurar, máscaras, mecanismos de fuga e a propria apatia, e como vc bem disse por medo, covardia, comodismo...simplesmente um tema maravilhoso, o desfecho do texto é o centro de nossa vida, colocar nosso coração nas mãos de Deus e viver com entusiasmo...grande beijoooooo tu tah cada vez mais blogueira heimmm doru!!

Filipe Hagen disse...

Excelente, Mari!!
E tem até citação do blog! hehe

donaldo_souza disse...

esse foi excelente mesmo!

k. florzinha . disse...

Marii ta lá no blog esse texto ve lá depois..
muito obrigadooo!

"O que obviamente não presta, sempre me interessou muito."

blog da floor